Parque Ria Formosa

 

O Parque Natural da Ria Formosa foi fundado em 1987, numa extensão de 60 Km pela costa algarvia, entre o Ancão e Manta Rota, tem uma superfície de cerca de 18400 hectares, e abrange os concelhos de Loulé, Faro,

Olhão, Tavira e Vila Real de Sto António.

A Convenção de Ramsar (tratado inter-governamental adoptado em 1971 na cidade iraniana de Ramsar) classificou a área como Zona Húmida de Interesse Internacional.

O estatuto de parque natural foi atribuído em 1987, pelo Decreto-lei 373/87 de 9 de Dezembro. Antes a Ria Formosa tinha estatuto de Reserva Natural que fora instituído em 1978.

 

Grande parte desta área corresponde ao sistema lagunar da Ria Formosa, um cordão de ilhas e penínsulas arenosas dispostas paralelamente à costa, protegendo uma laguna que forma um labirinto de sapais, canais, zona de vasa e ilhotes. Este cordão é constituído fundamentalmente pela Península do Ancão (ou "ilha de Faro"), as ilhas da Barreta, Deserta, Farol-Culatra, ilhas da Armona-Fuseta, de Tavira, Cabanas e, finalmente, Península de Cacela.

      A origem deste sistema lagunar e do cordão dunar ainda não está suficientemente esclarecido. Mas tudo pode ter começado com movimentos a nível da crosta terrestre a que, ao longo do tempo, se vieram juntar outros factores, tais como modificações na morfologia dos fundos marinhos, o movimento das ondas e a direcção das correntes, as variações havidas no nível do mar, os sedimentos provenientes das falésias do Barlavento e do Continente ou das linhas de água que desaguam na ria e as condições meteorológicas.

A Ria tem também uma importância económica enorme devido à variedade de peixe, marisco e bivalves, sobretudo para Olhão, cidade também conhecida por ser a capital da Ria Formosa. Aqui se cultiva a amêijoa, saindo desta área cerca de 80% do total de exportação do país. A dourada, o robalo ou o camarão-de-Quarteira e o atum são peixes abundantes 

Ancoradouro em OlhãoA Ria Formosa caracteriza-se também por um sistema ecológico de elevada biodiversidade, composta por uma fauna rica de moluscos, crustáceos e peixes que são, normalmente, pescados ao longo de todo o ano, constituindo uma fonte importantíssima de rendimento para pescadores, mas também um passatempo para os turistas. Caracóis do mar, búzios, berbigões, amêijoas, são algumas espécies que possuem conchas de cores vivas e formas atraentes que, aos turistas e coleccionadores, não passam despercebidas.

Segundo vários cientistas, muitas aves ali nidificam e se reproduzem, pois as condições climáticas desde ecossistema, são muito equilibradas para a sua sobrevivência.

A nível botânico, a área é de grande interesse, especialmente pela vegetação das zonas de duna e sapal.

A Ria Formosa também tem vindo a ser ameaçada, pelo excesso de população que vive na região, que acaba por poluir a ria, como por exemplo deixar lixo nas praias, deitar lixo no mar, descargas de esgotos, construção descontrolada e invasão sem permissão de áreas protegidas.

Número de espécies aproximadas:

- 693 espécies de plantas
- 288 de moluscos
- 79 de peixes
- 15 de répteis
- 11 de anfíbios
- 214 de aves
- 18 de mamíferos
- 8 de Aracnídeos
- 5 de Crustáceos
- 6 de Anelídeos
 

 

 

 

Página Principal História Actividades Previstas Saídas de Campo Links Trabalhos dos alunos Particpantes